Intermediários

Processos, ferramentas e ambientes para objetivos subjetivos

O que é invisível a nós? Que coisas escapam aos cinco sentidos, que estão presentes mas não podem ser definidas? Ou seria a pergunta, o que é o invisível?

Um objeto é comum. Porém quando é portador de um poder, o que passa a ser? Um talismã, uma arma, um instrumento? O poder transforma o objeto em um veículo, uma ferramenta que permite ao seu operador realizar o objetivo proposto. Igualmente, uma área quando designada e delimitada passa a ser o espaço que possibilita o acontecimento do objetivo proposto. E interessam também os espaços de fronteiras pouco definidas, como são os espaços emocionais e espirituais, da mesma forma os dos sonhos e os das fantasias. Espaços estes que são abstratos e impalpáveis, que se permeiam e se confundem entre si, onde entramos e de onde saímos constantemente sem nos dar conta.

Os objetos-espaços atuam entre o físico, o psicológico, o emocional e o invisível. São intermediários e como tal passam a depositários de possibilidades, poderes e anseios. Pontuam o silêncio. São ações poéticas que existem no vazio entre as continuidades.

Rodrigo Cardoso, 2006

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Serpentes: Caiaque Oceânico na Baía de Guanabara - Mais uma aventura do Clube Carioca de Canoagem

Há  quanto tempo não posto aqui no Trilhas!
Prometi ao João Alexandre que colocaria um vídeo essa semana. Então, aí está.
Mas antes de apresentar o vídeo, vai uma poesia do amigo Cândido Campos.

A Serpente 
Com ares pensativos, olhando pro horizonte,
revemos na memória o que ensinaram para a gente,
sabedorias úteis, de diversas fontes... 
Mas ouve, enquanto eu vivo, um conselho diferente:
Assim como fez Eva, ao se livrar do Paraíso,
persegue, com atenção, o rastro da serpente,
e quando ela parar, no caminho, de repente,
observa com cuidado, e forma o teu juízo!
E vê que cada vez que ela mudar de pele,
renascerá de dentro de si mesma,
sentindo a brisa fresca como novidade!
Assim tu deverás fazer com as verdades
e com os demais conceitos que envolvem tua mente
nessa armadura ressecada que te impede de ir em frente!

Durante a edição, a música da abertura me lembrou a Tita Aguina; a música seguinte me fez pensar no Gustavo Spock, que é professor de yoga, muitas passagens trouxeram a imagem da Flávia.
Meu parceiro nessa aventura foi o Rafael, fiz o possível para inserir o máximo de informações, porque sei que ele gosta.
Também pensei bastante no Marcelinho Peludo, diretor da Alcatéia, meu consultor em assuntos áudio-visuais. 
O vídeo mostra a remada da Urca à APA de Guapimirim, passando pela casa da Luz del Fuego, primeiro trecho de uma viagem de três dias pela Baía de Guanabara.





Bom divertimento e obrigado por assistir.